A OBESIDADE ABDOMINAL PODE AUMENTAR O RISCO DE QUEDAS EM MULHERES IDOSAS

Silvia Gonçalves Ricci Neri, Luciane Cristina Jóia, Marcio Massao Kawano

Resumo


Introdução: A ocorrência de quedas em idosos constitui um importante problema de saúde pública. No Brasil, cerca de 30% da população geriátrica cai ao menos uma vez por ano, sendo que em metade dos casos o evento é recorrente. Objetivo: Avaliar a influência da obesidade abdominal sobre o risco de quedas em mulheres idosas. Método: Tratou-se de um estudo transversal descritivo desenvolvido em um clube da terceira idade do município de Barreiras- BA. A amostra foi composta por 50 mulheres idosas com idades entre 65 e 75 anos. A amostra foi constituída por 50 mulheres idosas distribuídas em dois grupos conforme a medida da circunferência abdominal (CC): o de obesas (n= 26), com CC> 88 cm, e o de não obesas (n=24), com CC≤ 88 cm. Resultado: A mediana da CC do grupo de obesas foi de 93,0 cm, já a do grupo de não obesas foi de 78,0 cm. Com relação à idade das participantes, a mediana foi de 67 anos tanto no grupo de obesas, quanto no de não obesas. Para a avaliação do risco de quedas, utilizou-se o teste TUG. A mediana do resultado deste teste no grupo de obesas foi de 9,7 s (intervalo interquartil 8,3-11,8 – IC95% 9,2-10,7), enquanto que no grupo de não obesas foi de 8,0 s (intervalo interquartil 7,0-8,0 – IC95% 7,5-8,3), havendo diferença estatisticamente significante (P< 0,001). Conclusão: Os resultados sugerem que as idosas obesas apresentam maior risco de quedas.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.