REVISÃO LITERÁRIA: FATORES DE RISCOS PREDISPONENTES DO ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO - AVE

NATIELLE SABRINE CAMPOS LINHARES, THIAGO RIBEIRO GUEDES, WINYE ÁGHATA ANDRESSA ALCÂNTARA DE SOUZA, MICHELLE PORTO GUARNIERI DE SOUZA

Resumo


O Acidente Vascular Encefálico (AVE), também conhecido como Acidente Vascular Cerebral (AVC), ocorre pela interrupção do aporte sanguíneo para determinada região do encéfalo (AVE isquêmico) ou pelo extravasamento sanguíneo através da ruptura de uma artéria (AVE hemorrágico), sendo as artérias médias, posterior e anterior as mais comumente acometidas ou seus ramos perfurantes menores, que vão para as partes mais profundas do cérebro (FERLA; et al., 2015). O AVE é a segunda principal causa de morte e de incapacidade, que deixa inúmeras sequelas físicas, mentais e sociais, restringindo a funcionalidade do indivíduo, principalmente nas atividades da vida diárias (AVD’s) (FARIA; et al., 2016). É apontado no Brasil, como a principal causa de hospitalização e mortalidade, levando cerca de 90% das pessoas a algum tipo de disfunção, sendo ela parcial ou total. Há hemiparesia, quando pode haver dificuldade no movimento no hemicorpo e hemiplegia quando há ausência de movimento no hemicorpo, sempre dependendo da extensão da lesão e da área afetada do cérebro. (FERREIRA; et al., 2018). A sintomatologia dos pacientes acometidos pelo AVE variam bastante e são relacionadas com a localidade da lesão. Além das áreas de acometimento existem alterações comuns provocadas pelo AVE, sendo elas: hipotonia, hipertonia, espasticidade, movimentos estereotipados, apraxia, agnosia, afasia, perda do equilíbrio postural, diminuição ou perda da sensibilidade tátil, térmica e dolorosa, além de alterações no comportamento (LACERDA; et al., 2018). De acordo Gagliardi (2015), a detecção e o controle dos fatores de risco, são de grande importância para a prevenção do AVE. Os mesmos são divididos em modificáveis (hipertensão arterial sistêmica, diabetes, uso de anticoncepcional, alcoolismo, tabagismo, obesidade, dentre outros), que são adquiridos com o passar do tempo, estão relacionados com os hábitos de vida (NASCIMENTO; GOMES; SARDINHA; 2011) e por isso estão sujeitos a prevenção e os não-modificáveis (sexo, raça, idade, genética), estes, não passíveis de alterações. Portanto, o presente estudo tem por objetivo melhor informar a sociedade sobre o AVE e seus fatores de riscos predisponentes, tendo conhecimento prévio, podendo assim prevenir-se do mesmo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.