REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTE COM TRANSTORNO DE DEPRESSÃO

JAQUELINE LOPES BARBOSA, JOSIANE DE SOUZA DAMASCENO, LIDIA CRISTINA DE OLIVEIRA SILVA, LIVIA MAGDA DE OLIVEIRA, MARILIA DE SOUZA SERPA SETUBAL DE SOUZA SERPA SETUBAL, ALINE TERRA BOMFIM

Resumo


A depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença. A depressão por sua vez é considerada a doença psiquiátrica mais comum entre os idosos, e está associado ao maior risco de mortalidade e de morbidade, aumentando o uso dos serviços de saúde, o descuido no auto-cuidado, o desinteresse no que tanque a processo terapêutico e também maior risco de suicídio (SUKYS; MORAES; TUFIK, 2010). Estudos epidemiológicos têm demonstrado um aumento na freqüência da ocorrência de transtornos mentais. Com relação aos sintomas depressivos e ansiosos, as mulheres têm sido consideradas mais vulneráveis que os homens, apresentando maiores taxas de prevalência de transtornos de humor e ansiedade. Dentre os transtornos de humor, a depressão se configura como o transtorno que mais causa incapacitação em mulheres. Considerando-se a prevalência da depressão em mulheres, as características do transtorno e a maior incidência no início da idade adulta, a qual coincide com a idade fértil, muitas mulheres acometidas pela depressão são mães, sendo que tal sintomatologia pode interferir negativamente na função materna e no desenvolvimento de seus filhos (PIZETA; SILVA; CARTAFINA, 2013). A ansiedade é uma emoção normal do ser humano, comum ao se enfrentar algum problema no trabalho, antes de uma prova ou diante de decisões difíceis do dia a dia. No entanto, a ansiedade excessiva pode se tornar uma doença, ou melhor, um distúrbio de ansiedade (PEREIRA; LORENÇO, 2012). A enfermagem sempre esteve ligada ao sofrimento das pessoas doente. As pessoas que sofrem precisam de alguém que lhe dê os cuidados necessários para aliviar o sofrimento. O portador de doença mental sempre esteve presente no cotidiano profissional do enfermeiro, independente da sua área de atuação, embora se o enfermeiro da área de psiquiatria tenha mais experiência, os profissionais de outras áreas precisam estar preparados para identificar, cuidar e orientar o portador de transtorno mental (ANDRADE et al., 2010). A atenção de enfermagem psiquiátrica oferece em todos os lugares, escolas, comunidades e centros de saúde mental, serviços de assistência gerais e especializados e atendimentos psiquiátricos. Todos os enfermeiros necessitam de conhecimentos psiquiátricos. O enfermeiro é um dos profissionais da saúde que tem contato direto, prolongado e constante com os clientes dos serviços de saúde (ANDRADE et al., 2010). 17º Congresso de Iniciação Científica da FASB, 2019, Barreiras – Ba ISSN 2594-7951 2 O enfermeiro tem como objetivo identificar os sinais indicativos de depressão, fazer o levantamento das possíveis dificuldades desse portador, realizar os devidos encaminhamentos e atuar terapeuticamente sempre que estiver em interação com o portador de transtorno depressivo (ALVARENGA et al., 2010).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.