EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE COMO INSTRUMENTO DA QUALIDADE ASSISTENCIAL

FRANCELISE SUSAN MIHARA BETTANIN, JAMILE CARVALHO RODRIGUES, MARCELO RODRIGUES BACCI

Resumo


Sabe-se que a Enfermagem se desenvolve como uma profissão voltada para o cuidado com qualidade, principalmente com a assistência e humanização do serviço e clientela, sendo assim, encontrar essa qualidade na assistência de enfermagem tornou-se uma necessidade constante, com revisões e modificações na prática e atuação do profissional. Como enfermeira de uma unidade de saúde, foi possível observar através da prática cotidiana, a atuação do serviço de educação permanente restrito à realização de treinamentos específicos e políticas de recursos humanos dentro das Unidades de Saúde da Família (USF), sob a forma de palestras e cursos de atualização, principalmente, no campo da Saúde Pública e para uma Equipe/Estratégia de Saúde da Família (ESF). Esses treinamentos são na sua maioria engessados, programados para serem realizados sem conhecer a realidade local, as suas diversidades e diferenças de gestão, profissional, e todas as suas particularidades. Para Reibinitz (2016), as diferenças existentes entre as exigências das práticas de enfermagem no mercado de trabalho e as utilizadas na formação do enfermeiro têm causado dificuldades de atuação no cenário da saúde, e que estas podem estar relacionadas ao descompasso existente entre o que se ensina em sala de aula e o que se vivencia no cotidiano dos serviços de saúde. Diante disso, este estudo tem como objetivo descrever como a Educação permanente em saúde pode contribuir para a qualidade do cuidado na ESF e como ela pode melhorar a prática diária.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.