CUIDADOS DE ENFERMAGEM A PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA DEVIDO AO USO DE ESTEROIDES ANABOLIZANTES QUE REALIZAM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

DANDARA RODRIGUES SIMÕES RODRIGUES SIMÕES, JOELMA DE JESUS BATISTA SANTOS, JOSENANDO PEREIRA MACIEL, DULCE RODRIGUES MATOS

Resumo


Os esteroides anabolizantes (EA) são hormônios masculinos que mantêm características sexuais vinculadas à masculinidade. Os efeitos adversos causados pelo uso excessivo são difíceis de especificar, porém, os efeitos físicos e mentais ficam evidentes após o uso indiscriminado, podendo provocar risco de morte aos pacientes (JUNIOR, 2013). Segundo Dartora, Wartchow e Acelas (2014), o uso dos EA gera muita discussão provocando preocupação, pois jovens praticantes de atividades físicas utilizam esses produtos para melhorar o corpo e devido a este estereótipo da beleza acabam sendo motivados a fazer uso destas substâncias. A maioria desses jovens não conhecem os danos que os EA podem causar ao organismo, desde problemas hormonais até outras patologias. Embora o uso de anabolizantes possam ser também como terapêutica para algumas condições patológicas, se for feito de forma inadequada juntamente com outros complementos nutricionais pode acarretar efeitos maléficos graves para a saúde. Dentre as várias complicações desenvolvidas por pessoas usam os EA temos as alterações renais (LUCHI et al, 2015). Entre alguns dos efeitos adversos provocados pelo excesso de EA podemos destacar: prejuízo as funções hepáticas, cardiovasculares, hormonais, comportamentais, reprodutivas e somáticas sendo que alguns danos são irreversíveis o que leva a perda da funcionalidade do órgão podendo causar a insuficiência renal crônica ocasionando até óbitos (LIMA, MEDEIROS e CARDOSO 2013). Para a Sociedade Brasileira de Nefrologia a insuficiência renal pode ser aguda ou crônica. Dessa forma a insuficiência renal crônica (IRC) é quando ocorre a perda da função de forma lenta e progressiva (SOARES et al, 2013). Sendo assim, é uma doença progressiva e irreversível que altera a estrutura dos rins causando a diminuição da capacidade da filtração glomerular. Os rins também têm função fundamental no equilíbrio plasmático e hidroelétrico além de excretar compostos nitrogenados e catabólitos (MEDEIROS et al, 2014). O enfermeiro para atuar no cuidado ao paciente com insuficiência renal deve ter conhecimento cientifico adquirido a partir da sistematização da assistência de enfermagem que necessita ser voltada para detectar de forma precoce complicações a esse tipo de paciente, para isso é necessário um trabalho em equipe utilizando métodos humanizados. Sendo assim o paciente renal crônico deve ter suas funções afetadas, estado mental, capacidade de comunicação e as funções excretoras avaliadas pelo enfermeiro para identificar quais as ações devem ser realizadas e instrui esse paciente ao auto cuidado (SILVA, 2016). Um dos tratamentos para os pacientes com insuficiência renal crônica é a hemodiálise que tem por finalidade simular o processo fisiológico da filtração glomerular por mecanismo 17º Congresso de Iniciação Científica da FASB, 2019, Barreiras – Ba ISSN 2594-7951 2 de difusão, onde os pacientes são conectados a uma máquina específica durante um período de até quatro horas três vezes por semana. O enfermeiro deve orientar os pacientes quanto à alteração na qualidade de vida, onde o indivíduo deverá reduzir a ingesta hídrica e controlar a dieta rigorosamente baseado em instrução médica (FRAZÃO et al, 2014). O presente artigo tem como objetivo elencar os cuidados de enfermagem a pacientes com insuficiência renal crônica devido ao uso de esteroides anabolizantes, onde irá oferecer uma maior atenção aos pacientes, familiares e profissionais de saúde.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.