ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DURANTE O PRÉ-NATAL

ALDICEIA DE ALMEIDA PINHEIRO, ANA CLAUDIA SIQUEIRA DE SOUZA, CAROLINE SOUZA DE QUEIROZ, LUCAS BARBOSA DA GAMA, ALINE TERRA DO BONFIM

Resumo


O pré-natal é definido como um “conjunto de procedimentos clínicos e educativos com o objetivo de acompanhar a evolução da gravidez e promover a saúde da gestante, encaminhando-os para soluções imediatas ao Sistema Único de Saúde” (BRASIL, 2005). Por se tratar de um período munido de certos medos, dúvidas e mitos que se torna de fundamental importância a interação mulher-profissional, pois é o que determinará a eficácia do pré-natal. Para tanto, se faz necessário que o profissional se posicione de uma forma neutra, e que guarde para si seus dogmas, conceitos e preconceitos, e promova o acolhimento e a escuta das necessidades da gestante. É preciso intimidade e segurança para que a mulher se sinta fortalecida até o momento do seu parto, pois cada mulher é um ser único, complexo, com sentimentos e autonomia (LIMA; MOURA, 2005). É de responsabilidade do Ministério da Saúde oferecer uma boa qualidade nas práticas do pré-natal, além de oferecer equipamentos para que sejam feitas as consultas e exames, levando em consideração a capacitação dos profissionais que assistirão a mulher nesse processo (ARAÚJO; OKASAKI, 2008). Dessa forma, o pré-natal é o período de preparar a gestante tanto fisicamente quanto psicologicamente para o momento do parto, levando assim os profissionais inseridos a praticarem o processo de educação e cuidados com suas pacientes (RIOS; VIEIRA, 2007). E é sob essa temática que alia legalidade, tecnologia e cuidado mais humanizado que o presente artigo é apresentado para mostrar e identificar a devida assistência de enfermagem durante o pré-natal, para que durante esse período seja desenvolvido um trabalho coletivo e que possa agregar melhorias para a equipe de saúde e para a gestante.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.