ADOLESCÊNCIA E O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: REVISÃO DE LITERATURA

ANNA CLARA DE OLIVEIRA SANTOS, CHARLEI JENNE PEREIRA DA CRUZ, DÉBORA DA CUNHA DE OLIVEIRA, ITAMARA DOS ANJOS SANTOS, MILENA FERREIRA PASSOS LIMA

Resumo


O consumo de substancias psicoativas (SPA) teve um crescimento assustador a partir da segunda metade do século XX, representando uma questão de saúde publica, a partir das últimas décadas desse século (FAVARO; PAULA, 2012). Os adolescentes estão mais expostos aos comportamentos de risco à saúde, pois a adolescência é uma fase que acarreta mudanças biológicas, cognitivas, emocionais e sociais. Entre os comportamentos de risco estão: atividades físicas insuficientes, consumo de SPA licitas e ilícitas, e hábitos alimentares inadequados. Eles apresentam nessa fase, contestação e curiosidade, como características tornando-os assim mais sujeitos aos comportamentos de risco (BALBINOT; ALVES; ARAUJO, 2012). O grupo familiar tem passado por inúmeras transformações nas últimas décadas, porem a família permanece como principal elemento para formação do individuo e da sociedade (GOLDANI, 2012). Diante desse processo, que é a adolescência, os adolescentes buscam por novas atividades e iniciativas que podem leva-los a resultados negativos (MUZA, 2000). O consumo de SPA na adolescência apresenta alta prevalência e tem sido cada vez mais precoce entre os jovens, e é apontado como o maior comportamento de risco entre os adolescentes (SANTOS; PRATTA, 2012). Observado isso, o presente estudo tem como objetivo investigar os fatores que levam os adolescentes a consumirem SPA e os principais efeitos dessas substancias sobre os adolescentes.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.