De uma Antropologia do Reconhecimento para Ética Ambiental em Axel Honneth

César Augusto Cichelero

Resumo


O trabalho apresenta como temática a relação entre a antropologia aristotélica e a categoria reconhecimento honnethiana, com o intuito de a partir dessa construção conceber uma ética ambiental a partir do complexo institucional na sociedade moderna. Como contraponto se realiza uma crítica da concepção humana individualista encontrada em autores como Maquiavel e Hobbes, para então relacionar o reconhecimento em Honneth e uma antropologia relacionada com Aristóteles. Honneth afirma que o motor da sociedade é o conflito, a luta pelo reconhecimento. Como as identidades são construídas neste conflito, é o reconhecimento que assume uma forma de restaurar as relações distorcidas entre os sujeitos evitando as patologias sociais. O reconhecimento acontece três esferas distintas, amor, direito e solidariedade, e, para Honneth ele é uma questão ética, ligado à ideia de realização plena de uma boa vida. O método utilizado foi a analítico, por meio da revisão das obras referenciadas.


Palavras-chave


Eticidade; Axel Honneth; Reconhecimento; Aristóteles; Ética Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPELLO, Filipe. Do Reconhecimento À Liberdade Social: sobre "O Direito Da Liberdade", de Axel Honeth. Cadernos de Ética e Filosofia Política, São Paulo, n. 23, p. 185-199, 2013.

CESCO, Marcelo Lucas. Reconhecimento em Axel Honneth. 2015. 80 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Caxias do Sul, 2015.

CHOZA, Jacinto. Aristóteles y la historia de la Antropología filosófica. Thémata Revista de Filosofía, n.46, p. 143-169, 2012.

CISNEROS ARAUJO, María Eugenia. La naturaleza humana en Hobbes: antropología, epistemología e individuo. Andamios, México, v. 8, n. 16, p. 211-240, ago. 2011.

DANNER, Leno Francisco. Aristóteles e Maquiavel: dois paradigmas no que diz respeito à fundamentação da práxis política. Ágora Filosófica. v. 9, n. 2, p. 39-56, jul./dez. 2009.

DI LORENZO, Wambert Gomes. Teoria do estado de solidariedade: da dignidade da pessoa humana aos seus princípios corolários. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

DONÍS, Marcelino Rodríguez. La naturaleza humana en Aristóteles. Fragmentos de filosofia, n. 9, p. 119-146, 2011.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HOBBES, Thomas. Do cidadão. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003.

______. O Direito da Liberdade. tradução Saulo Krieger. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

MATTOS, Patrícia. A Sociologia política do reconhecimento: As contribuições de Charles Taylor, Axel Honneth e Nancy Fraser. São Paulo: Annablumme, 2006.

MELO, Rúrion (org). A Teoria Crítica de Axel Honneth: Reconhecimento, Liberdade e Justiça. São Paulo: Saraiva, 2013.

NOBRE, Marcos. “Luta por reconhecimento: Axel Honneth e a Teoria Crítica”. In: HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003, p. 07-19.

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs. 2010.

NODARI, Paulo César. Ética, direito e política: a paz em Hobbes, Locke, Rousseau e Kant. São Paulo: Paulus, 2014.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Antropologia filosófica contemporânea: subjetividade e inversão teórica. São Paulo: Paulus, 2012.

PINZANI, Alessandro. O valor da liberdade na sociedade contemporânea: Das Recht der Freiheit, de Honneth, Axel. Novos estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 94, p. 207-237, Nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017.

SALVADORI, Mateus. “Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais”. Resenha. Conjectura: filosofia e educação / UCS. v. 16. n. 1 (jan./abr. 2011). – Caxias do Sul, RS: Educs, 2011.

SANDEL, Michael. Justiça: o que é fazer a coisa certa. 9 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.




DOI: https://doi.org/10.37497/revcampojur.v8i2.322

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


CAMPO JURÍDICO e-ISSN: 2317-4056

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional