A Correlação Entre o Desenvolvimento Econômico Sustentável e a Dignidade da Pessoa Humana: análise das práticas de economia verde e o agronegócio

Luana Azevedo Dantas, Ana Carolina Fontes Figueiredo Mendes

Resumo


O seguinte artigo visa analisar elementos de convergência entre o desenvolvimento econômico sustentável e a dignidade da pessoa humana, adentrando especificamente o debate em torno da produção de alimentos que circunda o agronegócio e as práticas de economia verde com o fim de alcançar o direito à saúde. Para tanto, foi feita pesquisa bibliografia para além dos conteúdos das áreas que circundam as ciências sociais aplicadas para obtenção de uma visão interdisciplinar sobre o assunto. Concomitantemente, a partir de uma análise histórica, compreende-se os elementos de construção da chamada revolução verde e as diversas posições teóricas e até mesmo ideológicas sobre ela, por fim, sugere-se uma atuação ampliada do estado sob os pressupostos de uma administração fundiária efetiva assim como o retorno econômico das práticas não poluidoras.


Palavras-chave


Desenvolvimento econômico sustentável;Direito à saúde; Meio ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Fernando Antônio. As ligas camponesas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.

BRASIL. Colonização e Reforma agrária. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

______. Plano Nacional de Reforma Agrária: Paz, produção e qualidade de vida no meio rural. Brasília: MDA, 2003.

CARTER, M. Y; et al. Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: UNESP, 2010.

CASTILHO, Alceu Luís. Partido da terra: como os políticos conquistam o território brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CASTRO, L. F. P. Dimensões e lógicas do arrendamento rural na agricultura familiar. 170 fls. 2013. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

COMPARATO, Bruno Konder. A ação política do MST. São Paulo em perspectiva, v. 15, n. 4, p. 105-118, São Paulo. 2001.

CHIAVENATO, J. J. Violência no campo: o latifúndio e a reforma agrária. São Paulo, Moderna, 1996.

CRESWEL, J. W. Métodos: qualitativo, quantitativo, misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DA TERRA, Comissão Pastoral. Conflitos no campo - Brasil. Goiânia: Comissão Pastoral da Terra, 2005.

DELGADO, Guilherme C. Expansão e modernização do setor agropecuário no pós-guerra: um estudo da reflexão agrária. Estudos Avançados, vol. 15, nº 43, 2001, p. 157-172.

DE JANVRY, A; SADOULET, E. Land Reforms in Latin América: ten lessons towards a contemporany agenda. World Bank’s Latin America Land Policy Workshop, Mexico. 2002.

FONSECA, Ricardo Marcelo. A Lei de Terras e o advento da propriedade moderna no Brasil. Anuario Mexicano de Historia del Derecho, v. 17, p. 97-112, 2005.

FERNANDES, Bernardo Mançano. A formação do MST no Brasil. São Paulo: Vozes, 2000.

GASQUES, José Garcia; CONCEIÇÃO, J. C. P. R. A demanda de terra para a reforma agrária no Brasil. Seminário sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável, 1998.

GIRARDI, E. P. Proposição teórico-metodológica de uma cartografia geográfica crítica e sua aplicação no desenvolvimento do Atlas da Questão Agrária Brasileira. 2008. 210 fl. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente. 2008.

KUZNETS, Simon. Economic growth and income inequality. Washington: The American economic review, 1995.

LEITE, S. P. Impactos dos assentamentos: um estudo sobre o meio rural brasileiro. São Paulo: Unesp, 2004.

MARTINS, J. de S., Reforma agrária: o impossível diálogo. São Paulo: Edusp, 2000.

MARX, Karl. Sobre a nacionalização da terra. Estudos de Sociologia, v. 2, n. 3, 2008.

MEDEIROS, L. S. Dimensões políticas da violência no campo. São Paulo: Tempo. 1996.

______. Reforma agrária no Brasil: história e atualidade da luta pela terra. Rio de Janeiro: Fundação Perseu Abramo, 2003.

MENDONÇA, M. L. O monopólio da terra e os direitos humanos no Brasil: desafios aos direitos humanos no Brasil contemporâneo. Brasília: Verbeta, 2011.

MICAELO, A. L. "Essa terra que tomo de conta: parentesco e territorialidade na Zona da Mata de Pernambuco." 2014. 243 fls. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade de Lisboa, Lisboa, 2014.

MORAIS, C. S. de. História das Ligas Camponesas do Brasil. In: STÉDILE J. P. (Org.) História e natureza das Ligas Camponesas – 1954-1964. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

MORISSAWA, M. A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

NOBRE, Marcos. Choque de democracia: razões da revolta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e Reforma Agrária. Estudos Avançados, v. 15, n. 43, 2001, p. 185-206.

______. Renda da terra. Revista Orientação, n. 05, p. 94-95, 1984.

PRADO JUNIOR, C. A Revolução brasileira: a questão agrária no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


CAMPO JURÍDICO e-ISSN: 2317-4056

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional